CONFIANÇA NO COMÉRCIO BRASIL-CHINA

23/06/2013 19:15
A grande maioria das importações chinesas consiste-se de suprimentos industriais e de bens de consumo, principalmente maquinários e equipamentos de alta tecnologia, sendo que a grande maioria de tais produtos vem do Japão e dos Estados Unidos. Regionalmente, quase a metade das importações da China vem o Leste e do Sudeste da Ásia, e quase um quarto das exportações vai para estas mesmas regiões. Quase 80% das exportações chinesas consiste-se de mercadorias fabricadas, sendo que a maioria dos quais são tecidos e equipamentos eletrônicos. Produtos químicos e agrícolas completam o total de exportações da China. Dos cinco portos mais ativos do mundo, três estão na China.
Os Estados Unidos são um dos grandes fornecedores de semicondutores, equipamentos eletrônicos, equipamentos de geração de energia elétrica, aviões e componentes, maquinários industriais e computadores, matérias-primas e produtos químicos e agrícolas da China. Porém, as empresas exportadoras americanas ainda têm preocupações o acesso ao mercado chinês, que é apenas razoável devido às políticas de restrição comercial da China, e às restrições americanas para as exportações. O roubo intelectual de propriedades ainda causa prudência por parte de empresas estrangeiras que fazem negócios na China. Alguns fabricantes e políticos estrangeiros dizem que o valor do yuan em relação ao dólar é artificialmente baixo, e que, segundo eles, dá vantagens desonestas nas exportações. Estes e outros assuntos estão por trás de uma grande iniciativa de se estabelecer um maior protecionismo por parte de alguns congressistas americanos, que poderiam incluir uma taxa de consumo de 27,5% sobre produtos chineses. De acordo com estatísticas americanas, o superávit comercial da China com os Estados Unidos ficou em 170 bilhões de dólares em 2004, mais do que o dobro registrado em 1999. A Wal-Mart, o maior comerciante varejista dos Estados Unidos, é o sétimo maior parceiro comercial da China, e está logo a frente do Reino Unido.